segunda-feira, 27 de março de 2017

Que topete é esse? Se liga nos piores penteados infantis dos anos 80 e 90!

Que topete é esse? Se liga nos piores penteados infantis dos anos 80 e 90!


Se você foi criança nos anos 80 e 90, sabe como era puxado sair de casa sem parecer no mínimo ridículo. Isso quando os nossos pais não inventavam de fazer algum penteado absurdo na gente, né? Franjas tortas e cacheadas, topetes, um volume de outro mundo… Traumas eternos, na certa.

E não tinha como escapar das fotos, claro. É por isso que a gente olha para trás e pensa que esses penteados malucos não deveriam voltar à moda nunca mais, pelo amor de deus! Deveriam ser ilegais, no mínimo.

Você também foi uma dessas crianças com penteados chocríveis?




















quarta-feira, 22 de março de 2017

O Planeta dos Macacos

#oplanetadosmacacos #baudosanos607080e90
Por Gilberto Moreira da Silva

E voltando para uma série de postagens sobre "A Saga de O Planeta dos Macacos". 

Como havia prometido há algumas semanas atrás, trago ao Baú dos Anos 60, 70, 80 & 90 uma viagem pela Saga do “Planeta dos Macacos”, que pretende trazer todo o histórico desde a série original, passando pela série de TV, incluindo também a animação para TV até as publicações em histórias em quadrinhos. Não serão objetos desta saga a versão remake de “O Planeta dos Macacos” de 2001, nem os longas “Rise of the Planet of the Apes” (Planeta dos Macacos: A Origem) de 2011, “Dawn of the Planet Of The Apes” (Planeta dos Macacos: O Confronto) de 2014 e o futuro lançamento previsto para este ano de “War For The Planet Of The Apes” (Planeta dos Macacos: A Guerra),2017 por não estarem de acordo com as regras de postagens do grupo.




Planet Of The Apes (O Planeta dos Macacos)
Estados Unidos, 1968
Direção: Franklin J. Schaffner
Produção: Mort Abrahams, Arthur P. Jacobs
Produção executiva: William Eckhardt
Roteiro: Pierre Boulle (romance), Michael Wilson, Rod Serling
Elenco: Charlton Heston – George Taylor, Roddy McDowall – Cornelius, Kim Hunter – Zira,
Maurice Evans – Dr. Zaius, James Whitmore – Presidente da assembléia dos macacos, James Daly – Dr. Honorious, Linda Harrison – Nova

De início foram ao todo cinco longas para o cinema e que também tiveram sua exibição na Rede Globo em meados dos anos 70. Lançado originalmente no cinema em 1968 pela 20th Century Fox, o primeiro foi “Planet Of The Apes” (Planeta dos Macacos) e que ganhou Oscar de melhor maquiagem. Sim, os atores não usavam máscaras para representar os macacos e sim maquiagem, considerada um avanço para a época. O filme foi baseado na obra de Pierre Boulle, “La Planète des Singes” (O Planeta dos Macacos), romance francês escrito e publicado em 1963. É um exemplo de crítica social por meio da distopia.

Estrelado pelo ator Charlton Heston, o enredo se baseia na experiência de um astronauta sobrevivente de uma missão espacial. A nave viajou no tempo e chega ao ano 3978 dC., e seus astronautas aterrissam em um planeta habitado por macacos e são escravizados. Um deles escapa e vira objeto de estudo. A dúvida: teriam os evoluídos macacos se originado dos homens? A cena final do filme é antológica e marcou a história do cinema, sendo o filme considerado um libelo anti-Guerra Fria.

Antes um gênero quase exclusivo do cinema "B", a ficção científica deu uma grande virada em 1968. Nesse ano, foram lançados dois de seus marcos: “2001 – Uma Odisseia no Espaço” e “O Planeta dos Macacos”. Tudo que o filme de Stanley Kubrick tinha de metafórico e cerebral, porém, a aventura do diretor Franklin J. Schaffner tinha de visceral. Símios falantes e prepotentes, seres humanos mudos e aguilhoados – não era preciso muita perspicácia para entender as bordoadas que o cineasta disparava sobre o frágil estado das relações humanas (por falta de palavra melhor) e sobre a corrida armamentista, que poderia roubar da humanidade seu posto de espécie dominante. Essa visão apocalíptica pegou o público pela veia. “O Planeta dos Macacos” deu origem a quatro continuações, produzidas entre 1970 e 1973, e a duas séries de televisão. Nada que se compare ao primeiro filme, que tinha a ousadia de mostrar Charlton Heston vestido com uma tanga e de transformá-lo em objeto de estudo dos cientistas-chimpanzés Cornelius e Zira – estes, em atuações antológicas de Roddy McDowall e Kim Hunter. Boa parte dos louros, porém, cabe ao co-roteirista Rod Serling. Como em sua obra mais famosa, o seriado “Além da Imaginação”, Serling era mestre em criar mundos que, normais na aparência, invariavelmente tinham algo de cabeça para baixo.





Beneath The Planet Of The Apes (De volta ao Planeta dos Macacos)
Estados Unidos, 1970
Direção: Ted Post
Produção: Mort Abrahams, Arthur P. Jacobs
Produção executiva: Joseph C. Behm
Roteiro: Pierre Boulle, Paul Dehn
Elenco: Charlton Heston – Taylor, James Franciscus – Brent, David Watson – Cornelius (Roddy McDowall é creditado, mas só aparece nas imagens do primeiro filme na abertura), Kim Hunter – Zira, Maurice Evans – Dr. Zaius, Linda Harrison – Nova, Paul Richards – Méndez

A continuação do sucesso de 1968 traz o que aparentava ser o final definitivo da série. Isso porque temos o fim do mundo.

Na história, o astronauta Brent (James Franciscus) é enviado em busca de Taylor (Charlton Heston) e seus companheiros. Ele encontra Nova (Linda Harrison), a companheira de Taylor, e juntos acabam por encontrar uma sociedade de humanos mutantes que mora no subterrâneo e adora uma bomba que é capaz de destruir todo o planeta.

As críticas às guerras e o desapego da sociedade com o futuro do planeta são novamente a marca registrada desse filme, porém agora, essa critica é ainda mais clara. Praticamente um tapa na cara.






Em "De volta ao Planeta dos Macacos", o risco de um futuro caótico é apresentado com a descoberta de uma raça de seres humanos que vivem nos subterrâneos da Zona Proibida do planeta. Eles são sobreviventes dos ataques nucleares das guerras que aconteceram antes dos Macacos dominarem o mundo. São dotados de poderes psíquicos e religiosamente adeptos à crença de que o salvador do mundo é uma bomba nuclear desativada: a Bomba do Juízo Final (ei, estávamos nos anos 70!).

Aqui o foco é o fanatismo religioso e as possíveis consequências que ataques nucleares trariam ao planeta, um exemplo das preocupações da época, quando o mundo ainda vivia a Guerra Fria e a Guerra do Vietnã.

O filme termina com um inevitável conflito entre macacos, os humanos moradores do subterrâneo e os humanos astronautas que vieram do passado, terminando com a explosão do planeta Terra, após a ativação da Bomba do Juízo Final.



Escape From Planet Of The Apes (A Fuga do Planeta dos Macacos)
Estados Unidos, 1971
Direção: Don Taylor
Roteiro: Pierre Boulle, Paul Dehn
Elenco: Roddy McDowall – Cornelius, Kim Hunter – Zira, Bradford Dillman - Dr. Lewis Dixon, Natalie, Ricardo Montalbán – Armando

Três macacos conseguem fugir do planeta antes de sua destruição, utilizando a nave dos astronautas. Esses macacos são Dr. Milo (Sal Mineo) e, os já conhecidos, Zira e Cornélius (Kim Hunter e Roddy McDowall). Usufruindo do histórico da nave, eles fazem o mesmo caminho que os astronautas da década de 70 fizeram, percorrem o tempo e caem na Terra no ano de 1973.
Dr. Milo morre em um acidente e os outros dois chimpanzés se tornam atração mundial, batizados pela mídia de “Macaconautas”.

Esse filme é o mais leve de todos da série, com muitas piadas e aquele climinha de Sessão da Tarde. Mas observa-se mais uma leve critica dos autores da série sobre a “sociedade do espetáculo”, ao mostrar a futilidade de todos ao transformarem os dois macacos em astros, como se o que realmente importasse fosse a exposição dos dois seres diferentes.








O clima do filme "A Fuga do Planeta dos Macacos" muda quando o governo descobre que os macacos são sobreviventes de um futuro caótico em que a raça humana era subjugada por símios. 

Zira e Cornélius são perseguidos e mortos em prol da integridade e futuro da raça humana. Porém, dias antes de morrer, Zira havia dado a luz ao seu filho Milo, que foi entregue ao circo pelos pais enquanto estavam sendo perseguidos e conseguiu se salvar. O primeiro passo do domínio dos macacos sobre a Terra havia sido dado…

Brent faz uma aterrissagem forçada atravessando a barreira do tempo, em busca do astronauta desaparecido, Taylor. A ousada missão de resgate leva-o a uma cidade subterrânea onde vivem humanos mutantes, que praticam o controle da mente e adoram uma arma capaz de destruir todo o planeta.

Conquest of the Planet of the Apes (Conquista do Planeta dos Macacos)
Estados Unidos, 1972
Direção: J. Lee Thompson
Roteiro: Pierre Boulle, Paul Dehn
Elenco: Roddy McDowall – Cesar, Don Murray – Breck, Ricardo Montalban – Armando, Hari Rhodes – MacDonald e Natalie Trundy – Lisa.

18 anos após os eventos de “A Fuga do Planeta dos Macacos”, Armando apresenta a César, filho do Dr. Cornelius e da Dra. Zira, a terrível verdade: os macacos são escravos usados para serviços minoritários, como fazer as compras, servir mesas ou fazer faxina, e não têm respeito nem direitos assegurados. Irritado ao ver um macaco sendo tratado de forma violenta por policiais, César não se contém e brada de indignação. Armando, com a intenção de proteger César, se entrega como responsável pelo ato, e é levado para ser interrogado. Enquanto isso, César é integrado ao sistema e vendido a MacDonald como um macaco comum. Então ele vê como os macacos são maltratados e incentiva-os a se rebelarem contra os humanos.

A história dá um salto, e o filme se passa no futuro de 1991. Todos os gatos e cachorros do planeta morreram devido a uma epidemia e os macacos passaram a ser os novos bichos de estimação do homem. E muito além disso, devido à inteligência dos macacos, o homem passou a utilizá-los como mão de obra em trabalhos como garis, garçons e empregados domésticos.
Em “Conquista do Planeta dos Macacos”, César (o filho de Zira e Cornélius que foi rebatizado pelo circense que o acolheu) cresce fingindo ser um macaco normal, já que o governo ainda procura o filho dos macacos que vieram do futuro, fazendo com que ele vá, aos poucos, acumulando ódio pelos humanos.

Para aumentar esse ódio, seu dono morre assim que o governo descobre que César é o filho dos “macaconautas” e, ao fugir, o macaco passa pelos brutos treinamentos nos campos de concentração em que os macacos ficavam para aprenderem suas funções servis.

Fortemente focado na questão da escravidão e do descaso do homem com os seres inferiores – ou no caso do próprio filme, dos seus semelhantes, já que o homem é a evolução do macaco – a “Conquista do Planeta dos Macacos” explica como ascendeu o domínio símio sobre os humanos, e é César que orquestra toda a revolução e rebelião dos macacos, influenciando os animais irracionais e ensinando-os a utilizar armas.


E voltando com postagens de "A Saga de O Planeta dos Macacos".

Battle For The Planet Of The Apes (A Batalha do Planeta dos Macacos)
Estados Unidos, 1973
Direção: J. Lee Thompson
Roteiro: Pierre Boulle (personagens), Paul Dehn, John Corrington, Joyce Hooper Corrington
Elenco: Roddy McDowall – César, Claude Akins – Aldo, Natalie Trundy – Lisa, Serven Darden – Kolp, Austin Stoker – MacDonald, John Huston – Líder dos macacos e narrador da história, Len Ayres – Mandemus, Paul Williams – Virgil

12 anos após o início do reinado de César (McDowall), foi constituída uma sociedade rural pacífica de macacos, em que a mais valiosa lei é "macaco jamais matará macaco" (ou símio não mata símio). Eles vivem em paz com alguns humanos sobreviventes da Guerra Nuclear que devastou a sua sociedade. Porém, Aldo (Akins), um gorila beligerante, acha que os macacos devem ter armas e matarem humanos. E conspira com os outros da espécie para que César não continue no poder.

César acredita na coexistência futura entre as espécies. Ao ouvir por MacDonald (Stoker), um amigo humano, que existem arquivos com fitas de seus pais, Cornelius e Zira, e que eles teriam falado sobre o futuro, organiza uma expedição ao lugar. É acompanhado por MacDonald e o sábio orangotango Virgil (Williams). Os tapes estão em subterrâneos de uma grande cidade devastada por uma bomba nuclear, que eles pensam estar desabitada. Chegando lá, os humanos mutantes sobreviventes do bombardeio percebem sua presença. E o desequilibrado líder, Kolp (Darden), começa a planejar um ataque aos macacos, por lembrar da rebelião de César e crer que são seres inferiores.

Em resumo, a história se passa em 2670 D.C., uma idílica sociedade de homens e macacos é ameaçada tanto por um gorila militante quanto por uma tribo de humanos mutantes. Por fim, as tensões contidas que agitam os primatas eclodem em um clímax apocalíptico. Quando a fumaça abaixa, a destruição é generalizada, mas há esperança de um novo começo para o homem e o macaco.

Último filme da série clássica, “Batalha do Planeta dos Macacos” passa-se alguns anos depois da conquista símia.



Em “A Batalha do Planeta dos Macacos”, César agora tenta estabelecer uma comunidade em que humanos e macacos possam viver juntos. Porém, implantar esse tipo de governo pode ser mais difícil do que aparenta. As opiniões são divididas, os Gorilas (extremistas) não apóiam César e querem um regime em que os humanos sejam apenas escravos, tratados como seres inferiores. Os humanos sobreviventes aos ataques nucleares – que moram nas cidades radioativas devastadas pelas guerras – por sua vez culpam os macacos e querem vingança.

Filho de macacos que vieram do futuro, César sabe o que o destino reserva para humanidade e quanto mais a história flui e maior se torna a tensão entre os macacos e humanos, mais tem-se a impressão de que o único futuro possível para o Planeta dos Macacos é aquele cenário caótico vislumbrado no primeiro filme.

Esta é a grande questão de “Batalha do Planeta dos Macacos”: será que temos a capacidade de mudar nosso futuro? Ou será que o destino é algo sólido, imutável, e uma vez escrito não tem como alterá-lo?

César mostra que não. O destino pode ser reescrito, pois quando a guerra definitiva entre os Gorilas e os humanos da cidade radioativa acontece, o líder dos macacos, junto aos seus seguidores, monta uma terceira força que, com inteligência, ganha a batalha. Dessa forma, gera um novo futuro em que macacos e humanos vivem juntos em igualdade.

Assim encerrava-se a saga dos cinco longas do "Planeta dos Macacos".

Série de TV

A série de TV “O Planeta dos Macacos” foi criada pelos estúdios da 20th Century Fox e exibida pela primeira vez nos Estados Unidos na rede CBS. O primeiro episódio intitulado “Escape from Tomorrow” (Fuga do Amanhã), foi ao ar em 13 de setembro de 1974. A saga se passa no ano de 3085 d.C. e se baseia no longa metragem “Planet Of The Apes” (O Planeta dos Macacos), de 1968, utilizando o mesmo argumento, embora não haja correlações entre elas, dois personagens aparecem tanto na série como no longa: trata-se de Dr. Zaios, o personagem chave, já que sabe a verdadeira origem do Planeta dos Macacos, que é na realidade o nosso próprio planeta no futuro e o general Urco, também conhecedor do passado distante da Terra e um perseguidor implacável e de ódio mortal pelos humanos. De qualquer forma, neste futuro sombrio, no topo da nova estrutura social da Terra estão os orangotangos: legisladores, políticos e sábios. Logo abaixo, veem os gorilas: soldados fortes e ferozes. Os chimpanzés ficam em terceiro plano, cuidando do trabalho pesado e em alguns casos de pesquisas em laboratórios ou como antropólogos e veterinários, estudando os humanos que sobraram. O planeta Terra não é mais dominado pela raça humana, mas sim pelos símios. A série teve apenas uma temporada e 14 episódios. Foi exibida no Brasil nos meados da década de 70, sempre às segundas-feiras pela Rede Globo.

Série animada de TV

A saga também ganhou um desenho animado em 1975, intitulado “Return to the Planet of the Apes” (Retorno ao Planeta dos Macacos), versão baseada na série cinematográfica com Charlton Heston. “O Planeta dos Macacos” e no romance “La planète Des Singes”, de Pierre Boulle. Foi supervisionada por Doug Wildey, criador de “Jonny Quest” da Hanna-Barbera.

Foi Criada pelos estúdios DePatie-Freleng Enterprises. Estreou nos EUA em 6 de setembro de 1975 com coprodução da 20th Century Fox Television. Conta a história de astronautas que avançam no tempo para um futuro onde os humanos são domesticados e os macacos governam o mundo. Diferentemente dos filmes e da série live-action de 1974, a sociedade de macacos do desenho é mais avançada, com tecnologia similar à dos humanos, com automóveis, televisão e filmes. Esta concepção é mais próxima ao livro de Boulle que as outras adaptações, nas quais os macacos viviam numa sociedade mais rudimentar.

Alguns personagens do desenho são familiares nos dois primeiros longas do cinema: Cornelius, Dr. Zaius, Nova, Zira e General Urko. É a adaptação mais fiel ao livro que serviu de inspiração para o filme de 1968.

terça-feira, 21 de março de 2017

O Mundo dos Desenhos Animados - Parte 2

#desenhosanimados #baudosanos607080e90

Ah, quem aqui que quando criança, adolescente e ate homem mesmo, já adulto, que não ficou entretido na frente da TV, assistindo a desenhos animados?
Vamos recordar se acaso não puder ser todos, mas de uma boa quantidade desses clássicos que fizeram parte de nossas vidas?

Vamos começar a segunda parte com a colaboração do amigo da nossa comunidade do Orkuti:
DeGaule SonOfMyFather

Super Homem do Espaço
Título original: Yusei Kamen


Super Homem do Espaço era um desenho animado japonês produzido pela TCJ Production, escrito por Akira Adachi e animado por Masakazu Tanokura, apresentado originalmente no Japão, em preto e branco, pela Fuji TV, entre 03 de junho de 1966 a 21 de fevereiro de 1967, num total de 39 episódios, de aproximadamente 25 minutos cada. No Brasil foi exibido pela TV Record e TV Tupi na década de 70.

A série que narra as aventuras centradas em Peter Johansen, filho de um eminente cientista terrestre, com uma mulher originária do Planeta Pineron. A trama tem início quando o Planeta Pineron e a Terra entram em conflito, dando lugar a uma grande guerra entre os dois planetas.

Aqui na Terra, todos os originários de Pineron passam a ser perseguidos e presos, inclusive a mãe de Peter, que é levada para um campo de concentração, acusada de ser uma espiã.

Todos os descendentes deste planeta são facilmente identificados, pois possuem uma marca de nascença, no formato de uma estrela, em sua testa. Seu pai é também torturado por não colaborar nesta guerra inútil e acaba morrendo misteriosamente.

Desde então Peter e sua irmã Linda passam a ser criados por um amigo de seu pai, o Professor Socraton. Revoltado, Peter adota uma máscara para esconder seu rosto e principalmente a sua marca na testa, passa a ser conhecido como o Super Homem do Espaço e inicia sua luta contra as injustiças.

Num dado momento, o Super Homem do Espaço consegue revelar ao mundo, qual o verdadeiro motivo de todo esse desentendimento entre os dois planetas. Ele restaura algumas imagens e prova, que o ataque não foi uma ação premeditada, mas sim uma sabotagem a um foguete de transporte terrestre, feita por um espião.

Depois de toda a verdade vir a tona e a paz voltando aos dois planetas, o Super Homem Espacial retira sua máscara e revela sua verdadeira identidade. Ele também reencontra sua mãe, já dada como morta e algum tempo depois, Peter leva sua mãe de retorno ao planeta natal dela, em Pineron.


abertura


Loucademia de Policia
Police Academy: The Series (1988)

Com o sucesso dessa franquia de humor policial, mesmo sendo no estilo pastelão e até muitos consideravam forçado e babaca esse estilo de humor, tenho de convir que essa série de filmes fez muito sucesso e garantiu boas risadas com os absurdos que aconteciam, principalmente com a disputa entre as academias para ver quem era a melhor e as loucas formas de se combater os crimes.
Apostando nisso,  não foi surpresa que depois de quatro filmes entre 85 e 87, eles lançassem uma versão animada em 1889. A serie tinha direito a todos os personagens marcantes: Mahoney, o principal, o gigante Hightower, o viciado em armas Tackleberry, a fortona Callahan, o hiperativo Zed, e o favorito da galera, a mesa de som humana, Cadete Jones. Os episódios até tinha enredo, apresentando problemas e inimigos constantes na série, o que resultou na proeza de ter 64 episódios, uma ótima marca para um desenho não original .


Abertura



De Volta para o Futuro
Back to the Future Animated Series (1991)
Essa franquia sim mereceu uma versão animada! Assim que o Doc Brown voltou do Velho Oeste com sua esposa Clara e seus filhos, eles se mudam para uma fazendo nos arredores de Hill Valley e lá começam suas aventuras. Os episódios eram basicamente lições de história, física, química e literatura, recheadas com humor e personalidade que só aqueles personagens tinham, além de sempre encontrarem alguma versão do Biff Tannen como inimigo em suas viagens no tempo, independente para que época fossem. Pra finalizar, a série tinha uma abertura e encerramento feitas por Christopher Lloyd revivendo seu papel, e mostrando experiências com Bill Nye, umas especie de Beakman que não veio para o Brasil, tudo isso fazia da série uma orgulhosa aquisição para a franquia


abertura


King Kong
Kong: The Animated Series (2000)
Diferente do filme, a série não se passava na década de 30, e sim nos tempos atuais, contando a história de um macacão criado em laboratório com base no código genérico do protagonista original. A série era muito confusa, além de nem dar motivo do porque alguém criar um macaco gigante em laboratórios, os enredos envolviam magia xamã, outras criaturas enormes e caça aos monstros. Mas o fato deles tentarem esconder o Kong do mundo não se encaixa muito bem no contexto atual, na década de 30 até daria para entender, mas em 2001, com internet e tals, seria difícil alguém não ficar sabendo de um macaco gigante que vira e mexe saia nas ruas de Nova York


abertura

MINI POLEGAR (MIGHTY MAN AND YUKK) - 1978

Mini Polegar (Mighty Man and Yukk) é um desenho animado produzido em 1978 pela Ruby-Spears Productions. Teve apenas uma temporada, com 32 episódios.
É a história do milionário Brandon Brewster, que se transforma no super-herói Mini Polegar (Mighty Man). Ele tem a capacidade de diminuir de tamanho e outros poderes comuns a outros heróis como voar e super-força.

Seu fiel companheiro é Yogui (Yukk), o cão mais feio do mundo. Yogui é tão feio que vive com uma casinha de cachorro na cabeça. Sua arma secreta é justamente tirar a casinha e quando os vilões olham para o rosto do Yoggi desmaiam, tem crises psicóticos e tudo mais, de tanta feiura, até os prédios desabavam . O rosto dele nunca é mostrado, quando tira a casinha a imagem aparece por trás de sua cabeça, que é quase careca, com apenas 3 fios de cabelos.
Muito parecido com Dinamite, o Bionicão da Hanna-Barbera, onde Yogui é extremamente atrapalhado, sempre prejudicando Mini-Polegar, mas no final do episódio sempre salva o dia; como Falcão Azul e Bionicão.


abertura


Moby Dick um desenho animado com produção Hanna-Barbera. Estreou em 1967 e era transmitido junto com o Poderoso Mightor.
A história era sobre dois jovens, Tom e Tub, que eram resgatados por uma grande baleia branca  após um naufrágio. Junto com a foca de estimação, Scooby, eles enfrentam perigos no mundo submarino.


abertura



Dynomutt, Dog Wonder
Dynomutt, Dog Wonder (br: Dinamite, o Bionicão) é um desenho animado dos Estados Unidos com produção Hanna-Barbera. Estreou em 1976 e teve 20 episódios.
O milionário Radley Crown (semelhante a Bruce Wayne) e seu cachorro biônico Dinamite, passam o tempo em sua base de operações, a cidade de Big City, até serem alertados pelo Falco-Sinal. Eles imediatamente entram na Falco-Caverna (localizada na cobertura do apartamento) e se transformam respectivamente em Falcão Azul e Bionicão. Uma sátira bem escrachada às histórias de Batman e seu companheiro Robin.

Os dois travam lutas contra vilões perigosos e resolvem crimes que a polícia não conseguiu, mesmo com Dinamite mais atrapalhando do que ajudando. Dinamite possui os membros e o pescoço alongáveis e usa-os para fazer coisas que um cachorro normal não conseguiria. Além disso, possui uma arsenal de equipamentos eletrônicos que ele tenta usar no combate ao crime mas geralmente eles não funcionam bem e sempre atrapalham o Falcão.

Fez parte do show do Scooby-Doo lançado em 1976 sendo que os traços do próprio Dinamite são baseados nele. Aliás Scooby-Doo, um dos desenhos com maior número de episódios de toda a história foi usado como traço fundamental em vários outros desenhos de cachorros.

Outro dado importante sobre o desenho do Dinamite é que este foi o primeiro da história a escalar um personagem afro-descendente como um mandatário, no caso o prefeito.

No Brasil, muito da graça do personagem ficou a cargo da dublagem do hilariante Orlando Drummond, que além da própria voz do Scooby-doo interpretou personagens famosos na televisão, dentre eles o Seu Peru, da Escolinha do Professor Raimundo.


abertura



Touché Turtle and Dum Dum (conhecido no Brasil por Tartaruga Touché e Dum Dum) é um dos segmentos do programa infantil The New Hanna-Barbera Cartoon Series, série de desenhos animados lançada pela Hanna-Barbera em 1962.

Além das aventuras de Touché, o programa contava ainda com as séries do Wally Gator (Crocodilo Wally) e Lippy the Lion & Hardy Har Har (Lippy e Hardy).

A dinâmica Tartaruga Touché e o cão felpudo Dum Dum eram um par de heróis que batalhava contra vilões em todo tipo de aventuras, salvando reis, rainhas, donzelas, crianças e outros. Touché era o bravo e destemido líder, sempre com um chapelão ornamentado com uma pena e uma espada na mão. Dum Dum era seu companheiro e seguia fielmente Touché em suas aventuras.

A entrada favorita de Touché era segurando uma corda e se arremessando contra os vilões empunhando a espada na outra mão, bradando a frase "Viva Touché!" (versão da dublagem original para a expressão em inglês "Touché and away!"). Na abertura do desenho, Touche esgrimia contra um relâmpago e apagava as chamas de um dragão com uma mangueira.

Dum Dum, no Brasil, era dublado pelo ator Lima Duarte.


Abertura

ACE VENTURA (ACE VENTURA: PET DETECTIVE) - 1995

Ace Ventura: Pet Detective é uma série animada baseada no filme do mesmo nome. A série foi produzida por Morgan Creek Productions e a companhia canadense Nelvana para a Warner Bros. Studios. Ela estreou em 1995 e foi exibida até 1997 no canal CBS. A série foi retomada pela Nickelodeon de 1999 a 2000. Os roteiros são do conhecido animador Seth MacFarlane, responsável por American Dad.

Ace Ventura é um atrapalhado mas competente detetive particular, especializado em casos que envolvam quaisquer tipo de animais. O personagem animado repete todas os maneirismos criados pelo ator Jim Carrey para o filme. Ele se veste com uma camisa havaiana, dirige um carro velho e seu fiel companheiro é o chimpanzé Spike.


abertura


O Máskara (desenho animado)
The Mask: The Animated Series é o título de uma série animada de televisão baseada nas histórias em quadrinhos do personagem The Mask, entretanto, é uma continuação do filme de 1994. A série animada durou três temporadas, entre os anos de 1995 a 1997, chegando a inspirar uma série de quadrinhos intitulada: Adventures of The Mask. John Arcudi, antigo escritor original dos quadrinhos originais do Máskara, escreveu dois episódios do desenho animado. A série foi apresentada primeiro durante o line-up da CBS Kids no sábado pela manhã, mas foi cancelada depois de ter sido transferida para o Cartoon Network. Também teve exibição semanal na CBS.


abertura

SUPERAMIGOS (SUPERFRIENDS) - 1973

Superamigos (Superfriends) foi um desenho animado de grande sucesso, produzido de 1973 a 1985 pela Hanna-Barbera, baseado na Liga da Justiça da DC Comics.
Na formação original de Superamigos, os mais poderosos super-heróis do universo (Superman, Mulher-Maravilha, Aquaman, Batman e Robin) unem suas forças, com a ajuda dos adolescentes Wendy, Marvin e o Supercão para lutar pela justiça, combater o mal e servir a toda a humanidade.

A base de operações destes cinco super-heróis e seus “trainees” é chamada de Sala de Justiça (Hall of Justice), onde recebem alertas e informações do Coronel Wilcox.

A partir da segunda temporada, Wendy, Marvin e Marvel são substituídos pelos Super-Gêmeos os adolescentes alienígenas Zan e Jayna e seu macaco Gleek.

Nas temporadas seguintes, outros super-heróis juntam-se ao grupo, como o Chefe Apache, Flash, Vulcão Negro, Samurai, Lanterna Verde, entre outros.
Todos os episódios de Superamigos, além de muita ação, também trazem lições de valores educacionais.

Nem todos os personagens de Superamigos faziam parte do elenco da DC Comics. Os Super Gêmeos, Gleek, Chefe Apache, Samurai, El Dorado, Vulcão Negro, Wendy, Marvin e Supercão foram criados pela Hanna-Barbera especialmente para a série.



abertura


OS CAÇA - FANTASMAS ( THE REAL GHOSTBUSTERS) - 1986

The Real Ghostbusters - Os Caça - Fantasmasfoi um desenho animado norte-americano da década de 1980 baseado no filme homônimo de 1984. O desenho foi produzido pela Sony Pictures Television, DiC Entertainment e Coca-Cola e foi exibido originalmente pela ABC. No Brasil foi exibido pela Rede Globo.

O "The Real" ("Os Verdadeiros") do título foi adicionado depois de um briga judicial com a Filmation que já possuía um desenho animado com o título de Ghost Busters (Os Fantasmas no Brasil) - continuação de outro desenho homônimo ao filme, The Ghost Busters (anos 70) que no Brasil tinha o título de Trio Calafrio.

A séria continuava as aventuras dos investigadores paranormais Dr. Peter Venkman, Dr. Egon Spengler, Winston Zeddemore,  Dr. Ray Stantz, sua secretária Janine Melnitz e seu mascote fantasma Geléia (Slimer, no original). Houve também duas séries de história em quadrinhos, uma publicada mensalmente nos EUA pela NOW Comics e outra publicada no Reino Unido pela Marvel Comics, além de uma popular linha de brinquedos produzida pela Kenner.

O dr. Peter Venkman é o desencanado do grupo. Mesmo não sendo oficialmente o líder, Venkman geralmente toma decisões mesmo quando não perguntado. Está sempre envolvido em situações cômicas e geralmente não é levado muito a sério. Dr. Egon Spengler, um gênio da ciência, costuma ser a fonte primária do grupo para entender os casos, ou mesmo para saber como combater o inimigo. Com sua habilidade em teorias, em vários episódios é ele quem mostra como solucionar os problemas, mesmo quando esses parecem não ter solução. Dr. Ray Stantz é o segundo na lista dos mais inteligentes do grupo e costuma ser o personagem que coloca em prática as teorias de Egon com seus inventos e tecnologia. Também costuma ser o mais brincalhão e otimista do grupo, além de ser o único que várias vezes consegue entender o que Egon tem a dizer. Winston Zeddemore é o corajoso e mais forte do grupo. É o mais habilidoso com a mochila de prótons, até de ser o motorista oficial do Ecto-1, carro por qual nutre grande paixão.

Um curto episódio piloto foi produzido, mas jamais foi ao ar completamente. Algumas cenas podem ser vistas em alguns videos promocionais e na abertura da série. Assim como a maioria dos pilotos, esse episódio curto tem várias diferenças do resultado final. Na maior parte, as diferenças fazem lembrar o filme, como por exemplo, a barba por fazer de Peter Venkman que fazia se assemelhar com Bill Murray, os caça-fantasmas usando seus uniformes originais e Geléia aparecendo como um fantasma mal como era no filme. Algumas cenas do piloto foram editadas e usadas na abertura da série, sendo a mais notável a aparição de Stay Puft, o homem marshmallow. Outras cenas do piloto, como quando Ray acorda com um brinquedo do Sr. Stay Puft, quando o time desce o cano dos bombeiros e um dos inimigos sobrevoam o céu foram usadas na abertura especial de Halloween.

O dublador da versão americana de Egon, Maurice LaMarche, disse que os diretores de dublagem pediram que ele não tentasse incorporar o ator Harold Ramis, mas que fizesse algo à parte. LaMarche mencionou isso porque, supostamente, Bill Murray teria questionado o fato de Lorenzo Music (dublador do personagem Peter Venkman nas duas primeiras temporadas) ter a voz parecida com a do personagem Garfield e não com a dele. A partir da terceira temporada, Dave Coulier assumiu a voz do personagem. Isso soa um tanto irônico, já que Bill Murray dublou, anos mais tarde, o personagem Garfield no filme em live-action. O único dublador que quase foi o ator do mesmo personagem foi Ernie Hudson, que seria na série animada o personagem Winston Zeddemore novamente, mas ele foi substituído na última hora por Arsenio Hall. A versão brasileira é composta dos mesmo dubladores do filme.

Depois do sucesso do filme, a série animada se baseou na produção do cinema. Ao mesmo tempo em que The Real Ghostbusters era criada, a empresa Filmation começou a produção de seu desenho animado com o nome The Original Ghostbusters, uma continuação de uma outra série dos anos 70 chamada The Ghost Busters (note que essa série era grafada em duas palavras, diferentemente do filme, grafada em apenas uma). A Columbia Pictures não pode usar o mesmo nome do filme e incluiu "The Real" ("Os Verdadeiros") para não ter mais problemas com a Filmation. Com essa pequena rivalidade entre as empresas, houve um episódio em que um espiritualista charlatão apareceu na série sendo muito semelhante a Jake Kong, personagem do desenho da Filmation. Cada personagem feito por Jim McDermott tinha características parecidas com os atores do filme, porém com algumas pequenas diferenças.

Priorizando o horário nobre em setembro de 1986, dois videos promocionais foram lançados para gerar interesse do público na animação. Nesses dois videos, personagens, equipamentos e veículos acabaram ficando na versão final também.

Alguns dos personagens do filme fazem aparições na animação. Stay Puft, o homem de marshmallow, aparece inúmeras vezes e em um dos episódios, Walter Peck, da Agência de Proteção Ambiental, também participa. O uniforme dos caça-fantasmas mudam também sendo característicos da cada personagem. Egon se caracteriza por um macacão verde-azulado, Ray com um bege (sendo o único com um uniforme semelhante ao dos filmes), Peter com uniforme marrom e Winston com macacão branco-gelo. Geléia passou a ser integrante do grupo e a morar com os caça-fantasmas no antigo edifício dos bombeiros, motivo explicado no episódio "Citizen Ghost" (Cidadão Fantasma) em um flashback em que vários eventos do filme aparecem.

Depois do filme Ghostbusters II nos cinemas, o personagem Louis Tully foi introduzido na série com a versão americana sendo dublada por Rodger Bumpass. No episódio "Partners in Slime" ("Parceiros na Gosma"), Peter é coberto pela mesma gosma do segundo filme.

Nos primeiros 78 episódios, o roteirista J. Michael Straczynski deu um clima mais sombrio a série, normalmente não vista em séries animadas acostumadas a serem exibidas nas manhãs de sábado. Depois, a série ganhou um ar mais voltado ao folclore, crenças populares e alguns personagens característicos do feriado de Halloween, por exemplo, passam a ser mais constantes. Há também referências a outras séries animadas, como as Tartarugas Ninjas no episódio "Mean Green Teen Machine" (Significa Máquina Jovem Verde) e a filmes famosos como Star Wars e Batman.


abertura


Os Ghostbusters tiveram duas versões brasileira, a primeira em 1987 quando foi exibida pelo SBT com o título de " Os Exterminadores de Fantasmas", a dublagem foi feita pela Herbet Richers. Em 2005 o canal pago Boomerang encomenda uma nova dublagem, ficando com o nome de "Os Caça Fantasmas" nesta nova versão. Em 1975 a Filmation lançou um seriado (com atores reais) de meia hora chamado GhostBusters. O programa apresentava os detetives Eddie, Jake e o gorila Tracy que capturavam espíritos famosos do passado. O sitcom foi cancelado depois de um ano no ar. Em 1984 a Columbia Pictures lançou no mecado o filme; GhostBusters (Os Caça Fantasmas) que rendeu uma tonelada de dinheiro aos estúdios. A Filmation aproveitando o interesse do público por fantasmas se preparou para ressuscitar sua própria criação adormecida numa versão animada, tratava-se da volta dos Ghostbusters. Só havia um problema, o nome do desenho seria igual ao do filme produzido pela columbia e o mesmo do seriado original no qual a nova produção era baseada. Depois de uma breve confusão judicial, o desenho animado produzido pela Filmation (Ghostbusters) manteve o nome da série original (nada mais justo) e outro inspirado no filme da Columbia teve que sofrer uma mudança para (The real Ghostbusters) a estréia de ambos aconteceu no ano de 1986. A única coisa que os seriados tem em comum é a idéia de capturar espíritos maus. O desenho da Filmation juntou Tracy o macaco com os dois filhos crescidos dos caçadores originais: Eddie e Jake, perseguindo os fantasmas malíguinos. Novos personagens surgiram no desenho: A repórter Jessica, A guardiã do tempo Futura, um mascote metade porco e metade morcego, uma casa assombrada, um carro com opinião própria e muitas outras novidades. O Líder Mal ou Senhor Maligno era o chefe dos vilões que comandava a zona fantasma, com a ajuda de um time de criaturas tentavam sempre destruir a raça dos Ghostbusters. A trajetória dos Ghostbusters continua, em 2005, o desenho ganha nova dublagem e os personagens tem seus nomes traduzidos de forma diferente da versão apresentada pelo SBT nos anos 80.
Mais que ninjamente a Filmation (mesma empresa que fez o He-man e She-ra) resolveu fazer um desenho pra aproveitar o sucesso do filme… que não era deles! hahahah

Nascia “Os Exterminadores de Fantasmas”: Jake Jr., Eddie Jr. e o inteligentíssimo gorila Tracy AGORA SIM viajavam o mundo enfrentando fantasmas. Apesar da origem nada inspirado era um desenho divertido. Mas pensando bem tinha mesmo um clima meio He-Man.

Eles enfrentavam o Líder Mau,  mestre da “Zona do Medo” com a ajuda dos apetrechos que Tracy inventava e uma infinidade de coisas semi vivas, como O esquevisão (ensinava coisas no final do episódio), Crâniofone (uma péssima e sarcástica secretária eletronica), Fantasmóvel (o carro deles, que voa, se transforma e viaja no tempo!) e o Elevador Fantasma (que botava a roupa de exterminadores neles), que tinham não só vida mas personalidade forte). Assim como o do pai, o nariz de Jake coçava na presença de fantasmas. E diferente do seriado, Tracy usava sempre o mesmo chapéu (e não vários). Entre os aliados, erava Futura, uma exterminadora de fantasmas do futuro, Madame Por Que, uma cigana e Porcego. Um porco morcego


abertura

Tudo começou com o Trio Calafri, um seriado de 1975 com atores reais

Nele, o Trio Jake, Eddie e o treinado gorila Tracy viajavam a cidade para desmaterializar fantasmas. Recebiam a missão via fita que se destruia em 5 segundos (a lá missão impossível) e o humor era bem puxado pros três patetas. Esse seriado durou 16 episódios e no inglês se chamva Ghost Busters. A Columbia Pictures pagou direitos para usar o mesmo nome (mas no caso, Ghostbusters, tudo junto) no seu filme de 1984.


abertura


MIKE, LU & OG - 1999

Mike, Lu & Og é uma série de desenho animado estadunidense exibida pelo Cartoon Network que foi criada por Charles Swenson.
A série conta a história sobre uma garota chamada Mike que nasceu na cidade de Nova Iorque, e acaba deixando o seu lar, como uma estudante de intercâmbio, para uma ilha no meio do mar em busca de uma aventura mar afora.
Quando Mike chega à ilha encontra os habitantes mais esquisitos que ela já viu, e faz amigos chamados Lu e Og. Embora eles estejam em uma ilha isolada, Og inventa grandes aparelhos para ajudar seus amigos e os outros habitantes.


abertura


Em 1976, surgia na televisão uma série animada de Tarzan produzida pela Filmation que fez um grande sucesso em todos os lugares em que foi exibida. O seriado foi apresentado originalmente nos Estados Unidos pela rede CBS e teve ao todo, 36 episódios, divididos em quatro temporadas e mais duas de reprises.

A série era introduzida por uma narração que dizia mais ou menos o seguinte: “A Selva: Nasci aqui e aqui os meus pais morreram quando eu era ainda uma criança. Eu teria morrido muito cedo se eu não tivesse sido encontrado por uma gentil macaca chamada Kala, que me adotou como sua própria cria e me ensinou os caminhos do mundo selvagem. Aprendi rapidamente, cresci, cada dia fiquei mais forte e agora partilho a amizade e a confiança de todos os animais da selva. A selva é cheia de beleza, perigo e cidades perdidas com o bem e o mal. Este é o meu domínio e eu protegerei as pessoas que aqui vierem, porque eu sou Tarzan, Lord of the Jungle”.

Neste desenho animado, Tarzan era inteligente e falava muito bem, tinha como amigo um macaco chamado N´Kima e também utilizava o mesmo mundo “mangani” dos originais de Burroughs. A histórias incluíam muitas cidades perdidas e a animação era baseada no artista favorito de Burroughs, um artista chamado Burne Hogarth.
Segundo vários autores pesquisados este desenho animado pode ser considerado como as mais fieis aos originais dos livros de Tarzan, assim como uma das melhores realizações até aquela época. No Brasil este desenho animado foi exibido pelo SBT nos anos 80 e reprisado mais recentemente aos sábados na parte da manhã.
A série animada compreende as seguintes temporadas:
Primeira – Tarzan, Lord of the Jungle – 1976/1977 – 16 episódios
Segunda – Batman/Tarzan Adventure Hour – 1977/1978 – 6 episódios
Terceira – Tarzan and the Super 7 – 1978/1980 – Parte I -  6 episódios
Quarta – Tarzan and the Super 7 – 1978/1980 – Parte II -  8 episódios
Quinta – The Tarzan/Lone Ranger Adventure Hour – 1980/1981 = reprise
Sexta – The Tarzan/Lone Ranger/Zorro Adventure Hour – 1981/1982 = reprise


abertura




SILVERHAWKS - 1986

SilverHawks (ou Falcões de Prata) foi uma série televisiva de animação da Rankin/Bass, distribuída pela Lorimar-Telepictures em 1986. A série foi produzida pela Pacific Animation Corporation em parceria com a Topcraft e outros estúdios japoneses. No total, foram ao ar 65 episódios em uma temporada única durante todo o ano de 1986.

O universo fictício de SilverHawks foi desenvolvido em consonância com o universo da série anterior, ThunderCats e assim como ThunderCats, SilverHawks também foi lançado em história em quadrinhos pela então Marvel Comics, logomarca da Star Comics.
Atualmente, a Warner Bros. (que comprou a Lorimar em 1989) detém os direitos da série.

Com o sucesso dos Thundercats a Rankin/Bass resolveu investir nas séries de super-heróis, então criou uma espécie de "ThunderCats do futuro" ao invés de felinos guerreiros, surgiram heróis biônicos e com asas de metal, os SilverHawks.

Os SilverHawks tinham inúmeros poderes como voar em asas de prata ou lutar com nervos de aço. Parte metal, parte de carne e osso, esses guerreiros sacrificavam seus corpos humanos, modificando-os para suportar as longas jornadas até a Galaxia de Limbo, para onde foram enviados para defender o Universo do Monstro Estelar e seu bando intergalático: Lagartão, Serrivel, Minotauro, Terremoto, Molecular, Trapaceiro, Da Pesada e a "Loucura Musical da Melodia".


abertura

JOSIE E AS GATINHAS (JOSIE AND THE PUSSYCATS) - 1970
Josie e as Gatinhas (no original, Josie and the Pussycats) é uma série de desenhos animados produzida pela Hanna-Barbera, baseada na série de quadrinhos de mesmo nome criada por Dan DeCarlo para a Archie Comics, exibida em 1970 pelo canal estadunidense CBS. Essa primeira série conta com 16 episódios.Teve uma nova série em 1972-1974, conhecida no Brasil por Josie e as Gatinhas do Espaço (Josie and the Pussycats in Outer Space).

Com o sucesso de Scooby-Doo, a Hanna-Barbera queria agora competir com os desenhos da turma do Archie, que levou a canção pop "Sugar, Sugar" para o topo das paradas em 1969. Os personagens do desenho cantavam canções do grupo real homônimo, formado pelos produtores.
Assim surgiu Josie e as Gatinhas, o nome de um grupo musical formado por garotas adolescentes (uma delas de cor negra, a primeira a aparecer nos desenhos desse tipo) vestidas como leopardos, que vivem estranhas aventuras durante suas viagens e shows.
As cantoras eram Josie James (a esperta líder), Melody Jones (a loira burrinha mas sempre bem humorada) e Valerie Smith (a mais inteligente do grupo). Acompanhavam o grupo os irmãos Cabot: Alexandra, morre de inveja de Josie, arisca e muito convencida, o que sempre leva a ela e a seus amigos a inesperadas aventuras; e Alexander (ou Alex), o empresário da banda, franzino, bem humorado, aparenta "auto-confiança", mas quando a situação fica difícil é o primeiro a tremer as pernas e sair correndo. Além do atlético Alan (disputado por Josie e principalmente por Alexandra) e o gato Sebastian (companheiro de Alexandra, muito esperto e genioso).
Na década de 1970, a Hanna-Barbera produziria vários desenhos animados cujos protagonistas eram jovens bandas musicais.


abertura

Josie & the Pussycats in Outer Space, que estreou em 1975 na CBS e foi um grande sucesso. Nessa segunda fase, eles acidentalmente embarcam em uma nave espacial e dão de cara com seres alienígenas dos mais variados tipos, combatendo robôs, monstros pré-históricos, vilões como O Sombra, homens das cavernas, entre outros.

O desenho possui uma ótima combinação de aventura, humor, "mistério" e trilhas sonoras muito bem produzidas para a época, as quais dão um toque todo especial a obra. As aventuras das meninas ficaram conhecidas não só pela famosa música tema, mas também por ter sido o primeiro desenho animado que mostrava uma heroína negra.

Ele é considerado uma celebridade nos Estados Unidos. É o mascote da Guarda Florestal Americana. Em sua imagem repousa a bravura, honestidade, respeito aos ideais ecológicos e sociais. Ele é o Urso Smokey, um dos símbolos mais irretocáveis da cultura americana.
Com sua frase célebre "Lembre-se, só você pode prevenir incêncios florestais", o Guarda Smokey orientava crianças e adultos como se comportarem em áreas florestais, campos de pic-nics e outros locais de mata selvagem.
Para reforçar a mensagem, foi criado um desenho animado, chamado Smokey Bear Show, o Show do Guarda Smokey, nos em 1969,. No total foram produzidos 17 episódios desse personagem antológico que sempre esteve presente nas escolas americanas.

TRAPALEÃO ( HEYYY, IT'S THE KING ) - 1977
Trapaleão é um desenho da Hanna-Barbera que fazia parte do show da Ursuat. Estreou em 1977 e teve uma temporada com 13 episódios.


CARETA E MUTRETA ( BLAST OFF BUZZARD ) - 1977

Careta e Mutreta é um desenho animado, produzido pela Hanna-Barbera em 1977. Ao todo, teve 13 episódios e fazia parte do show da Ursuat.

Careta é um abutre que persegue o Mutreta, uma cobra. A ação se passa no deserto. Mutreta sempre se dá bem no final, escapando do Careta. Muito semelhante ao Papa-Léguas da Warner Bros.

É um desenho sem falas. O único som ouvido é dos efeitos como tombos, decolagens, risadas, pois nenhum dos dois personagens fala.

URSUAT (C B BEARS) - 1977
Ursuat é um desenho animado de 60 minutos, produzido pela Hanna-Barbera. Estreou em 1977.

Trombada, Tampinha e Esperto são 3 ursos detetives, que formam a Ursuat. Eles recebem orientações da Chefe Charlie via rádio, uma voz muito sensual, o personagem nunca foi mostrado.

A Ursuat possui um caminhão de lixo como meio de transporte, para não levantar suspeitas e viajam o país resolvendo mistérios.

Inspirado na série de TV As Panteras.


Colaboração dessas postagens abaixo: Juliana P. Mendonça

E vamos continuar com mais curiosidades, agora voltando aos desenhos animados, esses eu confesso, nunca vi na TV, mas já que por um acaso em algum lugar, em algum canal passou, vamos falar deles?


 Capitão Símio e os Macacos do Espaço, (1996)
Uuma franquia de desenho e brinquedos sobre macacos de testes espaciais da NASA combatendo vilões – engraçado era a pouca quantidade de espécies reais de macacos na série.


abertura


Super Cães (1997)
Super Cães, um fracasso da Warner Brothers Animation. A mesma empresa que trouxe clássicos como Tiny Toons e Batman veio com a história de cinco cães que dirigem carros, conversam com sotaques engraçados e absolutamente graça nenhuma que convencesse uma criança a não trocar de canal. Com duração de apenas 13 episódios, o legado desta série é um monte de fanarts assustadoras da personagem fêmea collie no DeviantArt.



Dink, O Pequeno Dinossauro (1989)
Mesmo se você tentar procurar no Google, ele vai responder “você quis dizer Em Busca do Vale Encantado?”. Criado um ano após o lançamento da pequena franquia de brontossauros muito mais amados, isso daqui é a história de um herbívoro amigável que ensina lições sobre carinho, amizade e provavelmente outras coisas, mas ninguém parece se lembrar ou se importar.



A Rosinha (1990)
Esse durou só quatro meses. A criadora se recusou a fazer as alterações solicitadas pro seriado – como diminuir a ênfase nas personagens femininas e adicionar mais meninos – e posteriormente lançou uma sequência da animação em que ela pessoalmente lutava contra os executivos do mal na “Cartoonland” – só pra confirmar o seu fracasso.



Stone Protectors (1993)
Vou ser sincero e confessar que nem sei se esse passou no Brasil, mas tem gente que conhece graças ao jogo de Super Nintendo! Uma flagrante tentativa de lucrar com dois coelhos e uma cajadada. Esta união profana das bonecas troll e Tartarugas Ninjas provavelmente poderia ser confundida com um flashback da ressaca de um funcionário da loja de brinquedos. Infelizmente, o mundo não estava pronto pras aventuras de um surfista carateca com cabelo pro alto. Como que isso chegou no Super Nintendo?


A Turminha do Zé Colmeia (1991)
Hanna-Barbera tinha uma fórmula à prova de balas pro sucesso na televisão. Pegue um famoso ator de comédia dos anos 40 e 50 e crie um animal bípede com seus maneirismos num desenho animado barato. Este sistema permaneceu durante décadas, mas finalmente teve que ceder à implacável máxima “a década de 90 não foi l´´a essas coisas”. Ninguém se lembra de qualquer episódio deste desenho. Não há um único ponto da trama ou caracterização que sobreviveu, tudo o que resta são imagens de um urso adolescente sem calças e de tênis de cano alto e uma sensação persistente de arrependimento.



A COBRINHA AZUL (THE BLUE RACER) - 1972

A Cobrinha Azul é uma série de desenho animado produzido pelos estúdios DePatie-Freleng Enterprises entre 1972 e 1974.
O personagem que dá título à animação foi baseado em um réptil que vive nos Estados Unidos famoso pela velocidade em que ataca sua presa.

O desenho mostrava o dia-a-dia e as dificuldades da Cobrinha Azul ("a cobra mais rápida do Hemisfério Norte", segundo ela mesma) em capturar sua refeição. Seu principal alvo era o Besouro Japonês (Japanese Beetle), faixa preta em karatê e comedor de flores que sempre complicava a vida da cobrinha. Além de sofrer nas mãos do inseto, a cobra ainda era obrigada a ouvir uma irritante melodia entoada pelo estereotipado personagem oriental: "toli-toli-toláááá, a cobla ficou lááááááááá". Ambos os personagens tinham aparecido antes, em episódios de Tijuana Toads.

No Brasil, o desenho foi exibido pela TV Tupi nos anos 70 e pela TVS (atual SBT) nos anos 80.



O PODEROSO CACHORRÃO (THE DOGFATHER) - 1974
Poderoso Cachorrão) é uma série de desenho animado produzido pelos estúdios DePatie-Freleng Enterprises entre 1974 e 1976.
É uma versão em série de animação do filme clássico de Francis Ford Coppola, "O Poderoso Chefão". Uma gangue de cachorros atrapalhados, chefiados pelo Poderoso Cachorrão, que é uma caricatura do personagem do filme, interpretado por Marlon Brando.



MISTER T - 1983
Mister T foi uma série de animação que foi ao ar de 1983 a 1986 com um total de 30 episódios, produzida pela Ruby-Spears.
O desenho era estrelado por Mr. T como um técnico de um time de ginástica que viaja o mundo, sempre resolvendo algum mistério.
No começo de cada episódio, o próprio Mr. T aparecia explicando o que iria acontecer e no final ele mostrava a moral da história.

abertura



AS MENINAS SUPER PODEROSAS (THE POWERPUFF GIRLS) - 1998
As Meninas Superpoderosas , é uma série de desenho animado criada e escrita por Craig McCracken. Sucesso em todo o mundo, a série foi considerada a nova mania dos Estados Unidos durante o fim da década de 90 e inicio dos anos 2000.  A série, produzida inicialmente pela Hanna-Barbera, e alguns anos depois pelo Cartoon Network Studios, conta a história de três garotas com super poderes: Florzinha, Lindinha e Docinho. Elas foram criadas pelo professor Utonium, que acidentalmente deixou derrubar o Elemento X na poção da "Menina Perfeita" (uma mistura de açúcar, especiarias e várias coisas boas). Sendo assim, o Elemento X deu a elas super poderes, e entre uma brincadeira e outra, elas tem que salvar a cidade fictícia norte-americana de Townsville de diversos monstros.


Abertura


DOUG - 1991

Doug é uma série animada americana do canal Nickelodeon. Foi o primeiro Nicktoon produzido e exibido, estrelando um garoto de 11 anos chamado Doug. Originado de um livro nunca publicado, Doug Got a New Pair of Shoes, do artista e criador da série Jim Jinkins (mesmo criador de Pinky Dinky Doo) e do escritor Joe Aaron.



A série foi criada pelo artista da Nickelodeon Jim Jinkins em setembro de 1990, e produzido pelas empresas Jinkins Production Company e Jumbo Pictures, Inc. O desenho se originou de um livro chamado Doug Got a New Pair of Shoes (em português, Doug ganha um novo par de sapatos) escrito pelo próprio Jinkins e pelo escritor Joe Aaron. Em 1991, a série passou a ser produzida e transmitida na Nickelodeon.
Jinkins deu o nome de Doug ao personagem principal, depois que seu afilhado, Doug Eckhardt, se tornou reitor de Arte Histórica na Universidade da Pensilvânia. A ideia para o "Homem Codorna", um super-herói que Doug imagina em alguns episódios, foi baseada em um super-herói inventado por Jim Jinkins, quando ele era mais novo.

A série se passa na cidade fictícia de Bluffington, para onde Doug e sua família se mudaram, saindo de Bloatsburg. A animação mostra a vida e as imaginações do personagem título, um estudante chamado Douglas Yancey Funnie. Ao lado de Doug, outros personagens principais são seu cachorro Costelinha, seus amigos, Skeeter Valentine e Patti Mayonnaise, e seu inimigo, Roger Klotz, o valentão da escola. A maioria dos episódios começa com Doug escrevendo no seu diário os fatos mais recentes de sua vida e o episódio exibido acaba por ser um flashback de Doug, que narra os eventos.
A irmã mais velha de Doug, Judy, é uma fonte constante de conflito. Ela é uma atriz dramática (possivelmente uma beatnik) que sempre usa roupa roxa e óculos escuros, até mesmo dentro de casa. A existência de Doug é praticamente ignorada por ela, já que os interesses dele são infantis, aos olhos dela.
Alguns episódios mostram a versão super-herói de Doug, o Homem Codorna. Doug fantasia que é o Homem Codorna, imaginando versões ao estilo quadrinhos dos fatos que vão acontecendo. O Homem Codorna usa um cinto ao redor da cabeça e uma cueca por cima da calça. Skeeter também possui um personagem no estilo, o Mosquito Prateado (uma paródia do Surfista Prateado da Marvel Comics). Sua banda favorita é Os Beets, outra paródia, dessa vez em uma mistura entre Os Beatles e Ramones
A imaginação de Doug reage a várias situações de sua vida, o ajudando a superar seus medos. Em um episódio, temendo uma visita ao dentista, ele imagina ser um agente secreto ao estilo James Bond, fazendo menção à cena do laser em Goldfinger.
Outro tema recorrente da série é o amor de Doug por Patti. Alguns episódios são focados inteiramente nisso, mostrando tentativas de Doug para se aproximar de Patti, ou de tentar evitar que ela descubra seus sentimentos em relação a ela. Geralmente, esses episódios têm um desfecho mostrando uma esperança otimista para Doug.
Um detalhe notável sobre o design dos personagens é o uso de nomes e cores de pele incomuns. Doug é de pele clara, enquanto seu vizinho Sr. Dink é roxo, Skeeter é verde, Patti é marrom-claro e Roger é verde-claro.
Outras excentricidades incluem a trilha sonora, incluindo a música de abertura, que é constituída de melodias feitas basicamente com vozes, e o uso de sons e barulhos para vários personagens (como Skeeter, que usa um característico ho-ho! como interjeição).
A série foi produzida numa parceria entre a Jumbo Pictures e a Ellipse Programmé para o canal pago Nickelodeon. Cerca de 52 episódios foram produzidos.
Em fevereiro de 1996, a Disney comprou a Jumbo Pictures e iniciou a produção de novos episódios de Doug, rebatizado inicialmente de Brand Spanking New! Doug, e depois renomeado mais uma vez como Disney's Doug. Os novos episódios traziam uma irmã caçula para Doug, Motoneta Cleópatra, e também avançou a idade do personagem central para 12 e meio. Também remodelou alguns personagens: Patti ganhou um novo penteado, usa calça azul e tem brincos, Beebe tem um telefone sem fio, usa calça roxa, usa sapatos brancos sem meia, a mãe de Roger ficou rica, Roger usa roupa de manga curta, uma cinta e um colete ao invés de jaqueta, Judy usa sandália preta ao invés de botas roxas e uma roupa de manga curta, Skeeter usa roupa com manga comprida e um colete roxo, e tem um "O" estampado em sua camiseta ao invés de um "raio", Connie emagreceu, entre outras mudanças. Praticamente todos os personagens ganharam novas roupas, e todos os estudantes foram para outra escola. Em 1999, depois de 65 novos episódios e um longa-metragem, Disney's Doug foi cancelado. Durante a exibição do programa foi indicado para 4 Emmys.
Muitos fãs desaprovaram essa nova versão de Doug por causa das mudanças que ocorreram na estrutura da história. Doug se tornou menos imaginativo, fazendo com que os episódios tivessem menos cenas "fantasiadas" em sua mente; outra diferença é a importância do diário de Doug, que é bem menos valorizado do que no original.


abertura

BOZO (BOZO: THE WORLD'S MOST FAMOUS CLOWN) - 1958
BOZO é uma animação do famoso palhaço de mesmo nome, foi produzida pela Larry Harmon Pictures Corporation, a animação começou no ano de 1958. Tendo como produtor executivo Lou Scheimer, da então desconhecida Filmation, empresa essa que ficaria famosa anos mais tarde ao produzir o desenho do He-Man e posteriormente da She-Ra.
No Brasil, foi exibido o programa dele na estreia pela TV Record e TVS/SBT numa primeira dublagem durante os anos 80 permanecendo em exibição até o término do programa.
Em 1 de Dezembro de 2012, a animação voltou a ser exibida dentro dos programas Bom Dia & Companhia e Sábado Animado.


abertura

JOHNNY BRAVO - 1997
Johnny Bravo foi uma série de desenho animado norte-americana exibida pelo Cartoon Network, criado por Van Partible. Sua estreia no Cartoon Network se deu em 14 de Julho de 1997, tendo o término em 24 de Agosto de 2004, exibindo um total de 67 episódios distribuídos em 4 temporadas. Em 20 de março de 2012 a série foi retomada pelo Cartoon.
A primeira temporada possuía um estilo cômico baseado na busca de Johnny por uma namorada. Após a saída de Seth MacFarlane da produção executiva da série, a segunda e a terceira temporada possui um novo estilo, com histórias variadas, excluindo alguns personagens, acrescentando outros (como Pops e Cacá) e reformulando a cidade (que não se chama mais Aron). Os traços também foram alterados. Com a alta rejeição do público com o novo modelo, o estilo da primeira temporada é retomado mais tarde na quarta, porém com menos sucesso.
Johnny Bravo é conhecido pelo seu visual um tanto quanto diferente: Óculos escuros e o grande topete loiro são a sua marca registrada. E também por sua forte atração por mulheres e garotas bonitas. Ele nunca desiste até finalmente encontrar uma namorada.
Johnny é um jovem, com um cérebro um tanto infantilizado. É pouco inteligente, mas ama muito sua mãe, Bunny Bravo, e sempre a protege. O melhor amigo de Johnny é Cacá e sua vizinha é a garota Suzy.


abertura

POLÍCIA DESMONTADA (POSSE IMPOSSIBLE) - 1977
Polícia desmontada (Posse Impossible em inglês) é um desenho com produção Hanna-Barbera. Estreou em 1977 e teve apenas 13 episódios.
O Xerife Tiro Certo e seus fiéis funcionários, Valentino, Vareta e Chorão, vão atrás de grandes bandidos no Velho Oeste. Apesar de sempre causarem confusão, no final os bandidos sempre são presos.



CAPITÃO PLANETA (CAPTAIN PLANET AND THE PLANETEERS) - 1990
Capitão Planeta (no original em inglês Captain Planet And The Planeteers) é um super-herói criado no começo dos anos 1990 pelo empresário americano Ted Turner como uma forma de alerta e interação para com seus telespectadores, que em sua maioria são crianças e adolescentes.
No Brasil, a animação estreou em 1991 na Rede Globo pelo programa Xou da Xuxa, na TV Colosso em 1993.
A série foi vendida para mais de 100 países.

abertura


BOB ESPONJA (SPONGEBOB SQUAREPANTS) - 1999

Bob Esponja é uma série de animação estadunidense, criada pelo biólogo marinho e animador Stephen Hillenburg, sendo produzida e exibida pela Nickelodeon. A série narra as aventuras e os empreendimentos do personagem-título e de seus diversos amigos na fictícia cidade subaquática de Bikini Bottom (Fenda do Biquíni). A popularidade da série a tornou uma franquia de mídia, bem como a animação/série de maior audiência da Nickelodeon e a propriedade mais distribuída internacionalmente pela MTV Networks.

Muitas das ideias da série originaram uma história em quadrinhos educacional e inédita, intitulada The Intertidal Zone, que Hillenburg havia criado em meados da década de 1980. Ele começou a desenvolver SpongeBob SquarePants em uma série televisiva em 1996 após o cancelamento de Rocko's Modern Life, e contatou Tom Kenny, que trabalhou com Hillenburg em Rocko's Modern Life. A animação havia sido originalmente nomeada de SpongeBoy e teve um título provisório de SpongeBoy Ahoy!. Estes títulos foram alterados, com o nome atual da série sendo registrado.

O episódio piloto da animação estreou na Nickelodeon em 1º de maio de 1999 após a exibição dos Kids' Choice Award daquele ano, e estreou oficialmente em 17 de julho seguinte. A série é mundialmente aclamada desde sua estreia devido a sua simplicidade e ao seu apelo para todas as faixas etárias, e ganhou enorme popularidade em sua segunda temporada. O filme de mesmo nome, concebido como uma animação de longa-metragem, foi lançado nos cinemas em 19 de novembro de 2004.

Apesar de sua popularidade, a série se envolveu em várias controvérsias públicas, incluindo a principal, que gira em torno de especulações sobre a orientação sexual do personagem homônimo. A animação foi nomeada em uma variedade de diferentes prêmios, incluindo dezessete indicações nos Annie Award e nos Golden Reel Awards (com seis e oito vitórias, respectivamente), quinze nomeações nos Emmy Awards (com uma vitória), treze indicações nos Kids Choice Awards (perdendo apenas uma condecoração) e quatro nomeações nos BAFTA Children (com duas vitórias). Em 2011, Spongiforma squarepantsii — uma espécie descrita como cogumelo — foi nomeada como uma homenagem ao personagem-título do desenho animado.


abertura



A FORMIGA ATÔMICA (ATOM ANT) - 1965

A Formiga Atômica é um desenho animado de um super-herói criado por Hanna-Barbera em 1965. Seu nome (original em Língua inglesa, Atom Ant) pode ser derivado de adamantino (adamant, em inglês), numa indicação de sua grande força (excedendo "50 vezes seu próprio peso").
A Formiga Atômica tem sua base num formigueiro próximo da cidade, onde ela tem um computador do tipo mainframe e equipamentos de exercício. Seus poderes consistem na habilidade de voar, super-velocidade e força descomunal.
Ela é contactada pela polícia para resolver os crimes, sendo algumas missões parodiadas de Batman.
A frase de ação da Formiga Atômica "Up and At 'em, Atom Ant!", foi traduzida pela dublagem original brasileira para "Lá vai a triônica, Formiga Atômica". Era proferida a cada ataque. Sempre que não conseguia ter força suficiente para uma determinada tarefa, ela voltava ao seu formigueiro, levantava os halteres algumas vezes e voltava para completar sua missão.


abertura



HOMEM-PÁSSARO (BIRDMAN) - 1967
Homem-Pássaro (Birdman, no original) é um personagem da Hanna-Barbera que fez sucesso na televisão durante a década de 1970. O programa originalmente dividia dois segmentos, um para Homem-Pássaro, o outro para o Galaxy Trio.
Criado por Alex Toth e Hanna-Barbera, o desenho foi exibido de 1967 a 1969 no canal NBC. Os desenhos do Galaxy Trio faziam parte do show, mas o canal os exibia em dias separados.
A identidade secreta do Homem-Pássaro era Ray Randall, um humano comum que ganhou poderes de luz solar do deus do sol Rá. Ele pode disparar raios de luz ou se defender com um escudo solar. Foi recrutado por uma agência secreta para lutar contra o crime e seu contato é o agente Falcão 7.
Tem como ajudante o Birdboy (que recebeu seus poderes do Homem-Pássaro), e seu mascote é a ave Vingador (Avenger). O super-herói voa usando as imensas asas em suas costas.
O Homem-Pássaro deve recarregar seus poderes periodicamente através de exposição a luz solar.


abertura


Galaxy Trio
Galaxy Trio é um grupo de super-heróis criados pela Hanna-Barbera. Seus desenhos foram produzidos juntamente com os do Homem-Pássaro para serem exibidos numa mesma sessão, mas o canal de televisão NBC preferiu lançá-los em dias separados. A série foi produzida de 1967 a 1968.

O Galaxy Trio é formado por três super-heróis extraterrestres, de planetas diferentes apesar de possuirem traços parecidos: Homem-Vapor (Vapor Man), Homem-Meteoro (Meteor Man) e Flutuadora (Gravity Girl). Eles patrulham o espaço a bordo da nave Condor Um.

O trio foi adaptado para os quadrinhos, aparecendo originariamente na revista Hanna-Barbera Super TV Heroes #2 de setembro de 1968.


abertura



Pokémon (ポケモン, Pokemon?, /ˈpoʊkeɪmɒn/ POH-kay-mon) é uma franquia de mídia que pertence a The Pokémon Company, tendo sido criada por Satoshi Tajiri em 1995. Ela é centrada em criaturas ficcionais chamadas "Pokémon", que os seres humanos capturam e os treinam para lutarem um contra o outro como um esporte.

A franquia começou com um par de jogos lançados para o Game Boy original, desenvolvidos pela Game Freak e publicados pela Nintendo. Atualmente, a franquia se estende em jogos, cartas colecionáveis, série de televisão, além de filmes, mangás e brinquedos. Pokémon é a segunda franquia de mídia de jogos mais bem sucedida e lucrativa do mundo, atrás da franquia de Mario que também pertence a Nintendo.

Em 2006, a franquia celebrou seu aniversário de 10 anos. As vendas dos jogos (incluindo home console games, como Hey You, Pikachu!, para Nintendo 64) acumularam mais de 200 milhões de cópias vendidas. Em novembro de 2005, a 4Kids Entertainment, que tinha conseguido o licenciamento da série animada, anunciou que havia concordado em não renovar o contrato da representação da franquia. A Pokémon USA Inc. (atualmente The Pokémon Company International), uma subsidiária da japonesa Pokémon Co., passou a supervisionar todas as licenças de Pokémon fora da Ásia.[8] Até 2013, a franquia de Pokémon acumulou ¥4 trilhões ao redor do mundo (equivalente a US$40.98 bilhões).

O nome Pokémon é uma abreviação da marca japonesa Pocket Monsters (ポケットモンスター, Poketto Monsutā?). O termo Pokémon, além de se referir a própria franquia Pokémon, também se refere as 721 espécies de ficção que aparecem na mídia de Pokémon. A palavra "Pokémon" é usada no singular e plural para o nome individual de cada espécie; a gramática correta é "um Pokémon" e "muitos Pokémon", bem como "um Pikachu" e "muitos Pikachu". (no entanto, em Pokémon Red, Blue e Yellow, alguns NPCs se referiam a Clefairy e Diglett no plural, mostrando "CLEFAIRYs" and "DIGLETTs", respectivamente. Isso foi arrumado em FireRed e LeafGreen.)


Tajiri teve a ideia de Pokémon por volta de 1989 ou 1990, quando o Game Boy foi lançado. O conceito do universo Pokémon foi inspirado no passatempo do diretor executivo Satoshi Tajiri de colecionar insetos quando era criança.[12] Os jogadores dos jogos são chamados de Treinadores Pokémon e dois dos principais objetivos (na maioria dos jogos Pokémon) para os Treinadores são: completar a Pokédex, capturando todas as espécies Pokémon disponíveis; e treinar seu time de Pokémon para competir contra o time de outros Treinadores e, eventualmente, se tornar o mais forte Treinador: um Mestre Pokémon. O conceito de capturar, treinar e batalhar estão presentes em quase todas as versões da franquia Pokémon, incluindo nos jogos, no anime e na série de mangá, e no jogo de cartas.

Na maioria dos jogos de Pokémon, um Treinador que encontra um Pokémon selvagem é capaz de capturá-lo através de um objeto esférico chamado Pokébola. Se o Pokémon não escapar da Pokébola, ele é considerado oficialmente do Treinador. Em seguida, o Pokémon irá obedecer todos os comandos do seu mestre, a menos que o Treinador não tenha muita experiência, a ponto dele preferir agir por conta própria. Os Treinadores podem mandar seus Pokémon para batalhas contra outros Pokémon; se o Pokémon adversário é selvagem, é possível capturá-lo com uma Pokébola, aumentando o seu time de Pokémon. No entanto, os Pokémon já pertencentes a outros Treinadores não podem ser capturados, exceto sob circunstâncias especiais em certos jogos. Se um Pokémon derrota o adversário durante uma batalha, então o oponente é nocauteado (ou seja, "desmaia"). O Pokémon vencedor ganha pontos de experiência e, às vezes, pode subir de nível. Quando um Pokémon sobe de nível, as suas estatísticas de batalha são aumentadas. Os Pokémon também podem aprender novos ataques, que são técnicas usadas nas batalhas. Além disso, muitas espécies de Pokémon possuem a capacidade de evoluir e se transformar em uma espécie mais forte.

Nas séries principais, o modo single-player de cada jogo requer que o Treinador tenha um time Pokémon para derrotar muitos Treinadores não jogáveis (NPC) e seus Pokémon. Cada jogo apresenta um caminho linear através de uma região específica do mundo Pokémon para o Treinador viajar, competindo em eventos e batalhando contra oponentes ao longo do caminho. Cada jogo possui oito Treinadores especialmente fortes, referidos como Líderes de Ginásio, que o Treinador deve derrotar a fim de progredir. Como recompensa, o Treinador recebe uma Insígnia de Ginásio e, conseguido todas as oito insignias, aquele Treinador pode batalhar na Liga Pokémon da região. Na Liga Pokémon se encontram quatro Treinadores imensamente talentosos (referidos coletivamente como "Elite Four"), que desafiam o Treinador para quatro batalhas Pokémon sucessivas. Se o Treinador conseguir derrotá-los, ele deve desafiar o Campeão Regional, o Treinador Mestre que, anteriormente, venceu a Elite Four. Qualquer Treinador que vence essa última batalha se torna o novo campeão.

Filogenia e História Evolutiva
A partir das 151 originais "espécies" na descritas pelo cientista japonês Satoshi Tajiri numa monografia de 1996, Pokémon claramente pertencem ao seu próprio filo, existindo para além da ordem natural e obedecendo a diferentes tipos de leis naturais. A cada três ou quatro anos, várias espécies novas são descobertas e descritas quase simultaneamente. Um total de 646 Pokémon foram descritos. Usando a suposição subjacente que Pokémon evoluiu através da seleção natural independente dos animais e das plantas mais familiares aos zoologists ocidentais e aplicando a teoria e as técnicas evolucionárias modernas a um campo previamente limitado a métodos de investigação pré-darwinianos e um sofisticado programa de simulação genética, pesquisadores criaram a árvore phylogenetic do Pokémon, uma seqüência evolutiva abrangente da família Pokémon.


O anime mostra Ash Ketchum e seu Pikachu em sua aventura para se tornar um mestre Pokémon. Seus amigos Brock e Misty o acompanham em grande parte dessa jornada. Outros protagonistas incluem Brock e Misty, Tracey, May e Max, Dawn, Iris e Cilan, Serena, Clemont e Bonnie. Durante toda a série há a presença da Equipe Rocket. Seus três integrantes que mais aparecem são Jessie, James e Meowth, que têm como objetivo roubar Pokémon, em especial o Pikachu de Ash. Ash vai passando por várias regiões ao longo de sua jornada, como a de Kanto, a de Jotho, a de Hoenn, a de Sinnoh, a de Unova e a de Kalos. E assim Ash junto aos seus amigos exploram esse maravilhoso mundo Pokémon cheio de aventuras e novas espécies de Pokémon. Na de região de Kalos surge um novo tipo de evolução chamado "mega evolução" que precisa de uma Key Stone, de uma pedra específica para o pokémon e um forte vínculo entre treinador e pokémon para acontecer.


abertura

Tenkū Senki Shurato (天空戦記シュラト? lit. "As Crônicas da Guerra Celestial: Shurato"), ou simplesmente Shurato (シュラト?), foi uma série de mangá criada por Hiroshi Kawamoto e adaptada para anime pela Tatsunoko Productions. Tanto o anime quanto o mangá seguem as tentativas dos deuses de Asura em dominar o Mundo Celestial. Shurato, o personagem título, foi trazido para o campo de batalha e se torna um membro essencial dos Oito Guardiões do Povo de Deva e luta para resgatar a deusa Vishnu. Asura é representado por Indra, cujos subordinados engajam Shurato e seus companheiros em diversas ocasiões.

O mangá de Shurato começou a ser publicado no final da década de 1980 na revista Shōnen King da editora Shōnen Gahosha e foi animado pelos estúdios da Tatsunoko Productions. Estreou na TV Tokyo em 6 de abril de 1989 e continuou até 18 de janeiro de 1990, chegando a 38 episódios, Ainda que seu final só tenha sido mostrado na série de OVAs, Sōsei e no Antō, de 1991. O anime recebeu algumas versões localizadas, os países em que obteve maior sucesso foram Japão, França e Brasil.


Shurato Hidaka e Gai Kuroki são dois melhores amigos de infância e opostos um do outro em aparência e personalidade. Enquanto lutavam um contra o outro na final de um torneio de artes marciais, foram subitamente encobertos por uma luz misteriosa e transmigrados para um lugar paralelo, o Mundo Celestial, onde a tecnologia moderna não existe e, ao invés disso, as pessoas dependem de seus Sohma, uma forma de energia espiritual.

Shurato descobre que ele é, na verdade, a reencarnação de um rei antigo de mesmo nome, e um dos Hachibushu, um grupo de oito guardiões lendários com alta quantidade de Sohma, sendo trazido para aquele mundo com Gai para lutar contra os deuses de Asura, uma legião de guerreiros destrutivos. Entretanto, por razões desconhecidas, Gai tenta matar Shurato repetidas vezes, confundindo Shurato, uma vez que o Gai real é um pacifista e a pessoa com mais compaixão que ele conhece.

Shurato, logo que acorda neste novo ambiente, conhece Rakesh, que se diz apaixonada por ele. Não demora muito e também encontra Gai, vestido com uma estranha armadura (a qual é conhecida como Shakti) e disposto a matá-lo. Na luta ele encontra um pequeno artefato em forma de leão, que se transforma em sua armadura. É salvo pela aparição de Leiga (Rei Karla), que leva Rakesh e Shurato para junto de Vishnu, que revela ser ele um dos Oito Guardiões Divinos do Povo de Deva.

Shurato não aceita todas estas informações e apenas pensa em como encontrar Gai e voltar ao seu mundo, mas seus planos são alterados por ser espectador de uma traição a Vishnu: Mestre Indra, seu maior discípulo, a transforma em pedra. Ajudado pelo poder de Vishnu, foge do palácio junto de Hyuuga (Rei Celestial) e Rakesh. Indra acusa-os de ter petrificado Vishnu e juntos deverão provar sua inocência e trazer a vida novamente a Vishnu. Depois que descobrem que Indra é o verdadeiro traidor, Ryouma e Leiga se juntam a eles, já os demais guardiões são enganados pelo falso comandante e acabam lutando com seus companheiros.

Shurato surgiu no Japão na época em que Os Cavaleiros do Zodíaco, da Toei Animation, estava em seu auge e produtoras concorrentes faziam sucesso lançando séries seguindo o mesmo padrão, como Samurai Warriors da Sunrise. logo puseram no mercado um produto que tentasse pegar carona na preferência dos fãs de anime. Shurato foi um deles e justamente por isto carrega muitas semelhanças com seu "irmão de armadura".


abertura


Sailor Moon, conhecido no Japão como Pretty Soldier Sailormoon[10][11][12][13] (美少女戦士セーラームーン, Bishōjo Senshi Sērā Mūn?, lit. "Graciosa Guerreira Marinheira da Lua" ou "Linda Guerreira Sailor Moon"), posteriomente adotado como Pretty Guardian Sailor Moon, é uma série de mangá escrita e ilustrada por Naoko Takeuchi entre 1992 e 1997. Fred Patten credita a série pela popularização do termo magical girl (Mahō shōjo),[14][15] enquanto Paul Gravett fala que a série revitalizou esse gênero.[16] Sailor Moon redefiniu o termo, pois apresenta garotas normais, que se transformam e ganham poderes mágicos para combater o mal. Mais tarde, isso se tornou um dos padrões principais do gênero Mahō shōjo.[17]

A história gira em torno de defensoras renascidas de um reino que está ameaçado novamente pelas forças do mal. As personagens principais — as Sailor Senshi — são adolescentes que podem se transformar em heroínas representando a Lua e os planetas. O uso da palavra "Sailor" se dá por conta do popular uniforme escolar das garotas do Japão, o sērā fuku (roupa de marinheiro), inspiração de Takeuchi para os uniforme das Sailor Senshi.[18] Os elementos de fantasia da série são fortemente simbólicos e, muitas vezes, baseados na mitologia e astrologia.[19]

Antes de escrever Sailor Moon, Takeuchi tinha escrito Codename: Sailor V, que focava apenas em uma Sailor Senshi. Então, ela teve a ideia de criar uma série sobre garotas do espaço e seu editor sugeriu que elas vestissem sērā fuku.[18] Quando Sailor V foi proposto para ser adaptado em um anime pela Toei Animation, o conceito da série foi mudado por Takeuchi e Sailor V se tornou apenas um membro de uma equipe composta por mais quatro guerreiras.[20][21] O resultado da série de mangá foi uma mistura do gênero Mahō shōjo e de Super Sentai, o qual Takeuchi admirava,[22] fazendo Sailor Moon ser a primeira série a combinar os dois.

Sailor Moon conta a história de Usagi Tsukino, uma garota normal e inocente de 14 anos — pelo menos, é isso que ela pensa — que um dia encontra Luna, uma gata falante que revela a identidade de Usagi como "Sailor Moon", uma guerreira mágica destinada a salvar a terra das forças do mal. Luna, então, dá a ela tarefas, como a de encontrar a Princesa da Lua e a de proteger a terra de diversos antagonistas, começando com o Dark Kingdom (Reino Sombrio), que há um tempo destruiu o Reino da Lua, o Silver Millenium (Milênio de Prata). Antes da série começar, o inimigo atacou o Reino da Lua, o que obrigou a Rainha Serenity a mandar sua filha, a Princesa Serenity e suas guardiãs, além dos gatos Luna e Artemis, seus assessores e o Príncipe do Reino da Terra, Endymion para o futuro para renascerem. Junto com suas guardiãs — a inteligente Sailor Mercury, a vidente Sailor Mars, a delicada, porém forte Sailor Jupiter e a alegre Sailor Venus — a Princesa Serenity luta contra o mal e, com o tempo, encontra-se com o Tuxedo Mask (Tuxedo Kamen no original), o seu verdadeiro amor.

Ao decorrer da série, Usagi e suas amigas aprendem mais sobre seus poderes e das forças do mal que enfrentam. O passado dos personagens é um algo misterioso até mesmo para eles e grande parte da série inicial é dedicada a redescobrir suas verdadeiras identidades e origens. Luna, que orienta e aconselha as Sailor Senshi, não sabe tudo sobre suas histórias. Eventualmente, as Sailor Senshi descobrem que Usagi é a verdadeira Princesa da Lua e que sua a mãe a renasceu como um Sailor Senshi para protegê-la. Assim, Usagi descobre a verdade sobre seu passado, seu destinado amor verdadeiro e as possibilidades do futuro do Sistema Solar.

Mais tarde, os protagonistas se encontram com a Chibiusa, a filha dos futuros Neo Queen Serenity e King Endymion, além das Sailor Senshi do Sistema Solar Externo (Outers Senshi no original)— a poderosa Sailor Uranus, a elegante Sailor Neptune, a distante Sailor Pluto e a solitária Sailor Saturn. Depois do Dark Kingdom, as Senshi lutam contra outros vilões, incluindo o Black Moon Clan, os Death Busters, a Dead Moon Circus e a Shadow Galactica.


abertura